domingo, 1 de abril de 2012

PRÓTESE NA AORTA SALVA VIDAS


Por: Raquel Loureiro in Correio da Manhã

O aneurisma da aorta torácica (presente na artéria que passa pelo tórax), no coração, é uma dilatação anormal e progressiva da aorta, que, quando rompe, origina a perda de grandes quantidades de sangue, que consequentemente, conduzem à morte. "O que se passa nestes casos é que a aorta está bastante doente, está dilatada. Devia medir cerca de 2/3 cm e mede 6/7 cm", explica Álvaro Santos, cirurgião cardíaco.
Na maioria dos casos, os pacientes não apresentam sintomas, até que o aneurisma começa a dilatar. A substituição total da aorta torácica é a inovadora intervenção, que permite a reconstrução da aorta, que passa a funcionar através de próteses, proporcionando ao doente uma vida normal sem riscos. É uma abordagem feita em duas fases, separadas por alguns dias, e cujo objectivo é excluir o aneurisma da circulação sanguínea.
O Correio da Manhã esteve no Hospital de Santa Marta, em Lisboa, a acompanhar a segunda parte do processo (endovascular). O doente, hipertenso, tinha um aneurisma da aorta há 6 anos, detectado num raio-X de rotina.
Na primeira fase, realizada dias antes, foi substituída a parte inicial da aorta doente por um tubo de poliéster e construiu-se uma canalização para que o sangue continuasse a circular para a cabeça. Na segunda parte, utilizou-se a técnica endovascular que permitiu, através de uma incisão na artéria femoral da virilha, levar a prótese ao coração, sem necessidade de invasão do tórax.
A intervenção tem um elevado risco cirúrgico e está associada a um considerável número de complicações, como AVC, paraplegia e insuficiência renal. Tratam-se de "doentes graves, cujos pós-operatórios são muito complicados", acrescenta Álvaro Santos. Contudo, a vantagem é que a técnica endovascular é menos invasiva que a cirurgia tradicional, o que faz com que o tempo de internamento do doente seja muito mais reduzido e não haja cicatrizes.
Esta nova abordagem traz aos doentes uma esperança de sobrevida, uma vez que, devido ao elevado risco cirúrgico, muitos estavam entregues à história natural da sua doença e ao controle da tensão arterial. "É um desafio na cirurgia que se está a conseguir ultrapassar e que queremos vir a melhorar", afirma Álvaro Santos. A intervenção é complexa e fruto do trabalho de equipa das especialidades de cirurgia cardíaca, cirurgia vascular, radiologia, anestesia e perfusão.

EXAMES MÉDICOS DEVEM SER FEITOS FREQUENTEMENTE

Aproximadamente 75% dos aneurismas da aorta são assintomáticos e descobertos ao acaso em exames de rotina e na investigação de outras doenças. Os exames devem ser frequentes: caso seja diagnosticado, o aneurisma pode ser tratado a tempo, evitando a ruptura.

PETIÇÃO PARA DIA NACIONAL DO ANEURISMA

A campanha ‘Aorta é vida’ tem como objectivo sensibilizar a população para os factores de risco dos aneurismas da aorta. A organização tem em curso uma petição para institucionalizar o dia 24 de Novembro como Dia Nacional do Aneurisma da Aorta Abdominal, de forma a alertar Portugal para a doença.

DISCURSO DIRECTO

"A DOENÇA NÃO TEM SINTOMAS", Álvaro Santos, Cirurgião Cardíaco, Hospital de Santa Marta

Correio da Manhã – Qual a vantagem desta nova técnica?
Álvaro Santos – A abordagem, com duas partes, permite tratar de forma simples e eficaz.

– Quais os factores de risco da doença da aorta torácica?
– Afecta mais as pessoas com idades entre 50 e 70 anos. Doença rara, atinge mais os homens, hipertensos, obesos, fumadores ou com doenças pulmonares.

– Quais os sintomas?
– A doença é mais ou menos silenciosa, sem sintomas. As pessoas fazem a sua vida normal e num raio-X de rotina descobrem um aumento da silhueta cardíaca que precisa de mais investigação, um aneurisma.

O MEU CASO: JOÃO AMARO
"DEIXOU DE IR À PESCA E À CAÇA"

Há cerca de cinco anos, João Amaro queixou-se de uma forte dor no peito, que mais tarde se complicou e traduziu-se num aneurisma da aorta. " Deixou de ir à pesca e à caça, actividades de que gostava muito, mas que podiam fazer o aneurisma rebentar", relata a filha de João, Cláudia Amaro. A doença foi progredindo até chegar a valores preocupantes, capazes de levar à ruptura fatal. "O aneurisma era de uma dimensão tal que o médico, a brincar, costumava dizer que toda a aorta era um aneurisma. O risco de o operarem era maior do que não operando", afirma.
O Hospital Santa Marta, em Lisboa, propôs-se a realizar a cirurgia através da inovadora intervenção (a primeira em Portugal), no início de 2011. Após a cirurgia, João Amaro esteve 14 dias em coma induzido, "um período muito complicado", recorda Cláudia. João Amaro faz actualmente a sua vida normal e sem limitações. Não tem qualquer cicatriz no peito, mas ficou com uma lesão na voz devido à pressão do aneurisma nas cordas vocais, o que lhe limita a conversação.

PERFIL

João Amaro, 61 anos, vive em Santo André (Santiago do Cacém) e é reformado. O stress da vida profissional como chefe de serviço provocava-lhe tensões elevadas. Mais tarde, diagnosticaram-lhe o aneurisma.

Farmacêuticos e terapeutas com carreira

March 30, 2012

Mais de um ano depois de a Assembleia Legislativa ter aprovado o novo regime das carreiras médicas, os Serviços de Saúde concluíram os dois regulamentos administrativos que vão permitir aos farmacêuticos e terapeutas progredirem mais na profissão. Os diplomas foram apresentados ontem pelo Conselho Executivo.
Em causa estão as formas de exercício das áreas funcionais das carreiras de farmacêutico e de técnico de saúde – o chapéu engloba, quatro sectores como a reabilitação e a análise laboratorial. Também as carreiras de técnico de diagnóstico e terapêutica – que incluem cinco áreas, como a cardiopneumologia e a neurofisiografia – têm, por fim, “formas de exercício adequadas à natureza da actividade” que é desenvolvida.
“Os Serviços de Saúde sublinham que a definição explícita das formas de exercício de cada área funcional permite que o desenvolvimento das duas carreiras caminhe em direcção a uma maior profissionalização, acompanhando melhor o seu desenvolvimento científico”, afirma o Conselho Executivo. Os regulamentos administrativos, previstos na lei aprovada em Agosto de 2010, permitirão também o “aperfeiçoamento da plena estrutura de saúde em Macau”.


Retirado do Blog PontoFinal Macau

sábado, 3 de março de 2012

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Férias

Desta vez fui de férias antecipadas pela barriga da PATA. Foram fantásticas, mais do que imaginei. De início uma escapadinha a Valência - Cidade das Artes e Ciências - Recomendo vivamente uma arquitectura deslumbrante do Calatrava, depois um saltinho (16Horas)  a Shangai, cidade de contrastes entre a guerra do capitalismo selvático e o rigor de uma ditadura militar. São tantos os chineses!!!! A média por Km2 são de 2700 pessoas em circulação. Contra facção MUUITA!!!! Comida razoável - Formigas com açúcar, são boas parece um prato agridoce. EXPO 2010 - Muito bem todos os pavilhões que visitei estavam muito bem, Portugal vestido de cortiça que todos queremos trazer um pouquinho. Lá dentro histórias da produção da mesma e muita ecologia, reciclagem, ambientalismo, uma realidade um pouco diferente da que eu conheço em Portugal. Depois veio a surpresa Viagem a Durban, África do Sul. Portugal 0 x Brasil 0, um jogo sem emoções, estas estavam guardadas para Ushaka - Jantar com Tubarões e Shakaland - Aldeia Zulu, uma marca deste povo. Durban é uma cidade á beira mar onde o nascer e pôr do Sol são magníficos, quem esteve em África sabe como a natureza é incrível neste país. Animais - Girafas, Impalas e Búfalos.
E Agora a circular em Bypass...

Voltei com Algumas Histórias

Depois de muito tempo sem postar volto agora para manter o blog em funcionamento. As férias já estão gozadas e algumas histórias aconteceram, por isso toca a postar.....

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Associação Espanhola de Perfusionistas

Emprego em Cardiopneumologia

É importante não esquecer que o mundo laboral está a mudar. Cada vez se fala mais em desemprego e com tendências de aumentar até 2013, no entanto e mesmo assim ás vezes fico surpreendido com os pedidos de emprego para Cardiopneumologistas - Aveiro, Ilhas, Braga entre outras entidades privadas.....

Malta o que é feito do Empreendedorismo!

Congresso Internacional das Ciências e Tecnologias da Saúde

A Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo e a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa associaram-se na organização deste um evento, centrado nas Ciências e Tecnologias da Saúde da região da Macaronésia – Açores, Cabo Verde, Canárias e Madeira.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Testemunho: os falsos recibos verdes e o peso da dívida injusta à Segurança Social

«Sou licenciada em Cardiopneumologia. Desde de Julho de 2005 que trabalho ou seja trabalhava na empresa "Clínica UNIMED" que foi à falência. Nessa Clínica Unimed Entrecampos como referi trabalhei desde Julho de 2005 e falsos Recibos Verdes uma vez que trabalhei sempre lá, fazendo exames médicos, sempre com o mesmo horário e neste período de tempo com o mesmo salário.
Agora a que a clínica foi à falência eu e os meus colegas com recibo verde, ficamos sem nada...nem indemnização, nem subsidio de desemprego.... Também tenho uma divida à segurança social, uma vez que não consigo com as despesas e com aquilo que ganhava não dava para pagar.
Eu quando me inscrevi na Segurança Social (SS) fiquei um ano isenta de pagamento, como todas as pessoas, no ano seguinte como não recebia informação de pagamento e mesmo pondo o meu nº da SS no multibanco não dava nenhuma informação, dirigi-me à SS do Areeiro e lá a funcionaria disse que não constava o meu nome...diziam que não estava inscrita, isto depois de enviarem 2 vezes os papéis (uma delas dizendo Urgente) da SS de Lisboa para SS de Setúbal uma vez que a minha área de residência pertence a Setúbal, para me inscreverem.
Passado uns tempos como não tinha informação para o pagamento, a minha mãe conseguiu telefonar directamente para a SS de Setúbal e expus a situação, quando o espanto dela que responderam que tinham os papéis à frente e que iam já me inscrever. Depois decidi ir à SS de Setúbal e falei directamente com a responsável e disse-lhe que pagava o ano que passou de contribuições, mas que não pagava os juros pois eles é que demoram quase um ano para me inscrever. Resposta da funcionaria foi " que tinha que pagar os juros, porque elas não tem culpa, tem muito trabalho e não conseguem inscrever as pessoas a tempo e que eu devia ter telefonado mais cedo para exigir a minha inscrição..." e eu a pensar que bastava dirigir-me a SS e entregar os papeis... mas não, também temos que telefonar para a SS e exigir que façam o trabalho...
Peço o meu anonimato, mas tinha que transmitir esta situação, pois existe sempre uma revolta, estou em casa sem subsidio de desemprego com uma filha de 10 meses, trabalhei para uma empresa mais de 4 anos e a pessoa não vê nada, continuam a deixar as empresas ir assim à falência com bastante trabalho... A pessoa enquanto trabalha não refere nada porque facilmente nos mandam embora.»

Publicada por Precários Inflexíveis
Etiquetas: testemunhos

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

sábado, 31 de outubro de 2009

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

XIII Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Cardio-Torácica e Vascular


Localização: Grande Real Santa Eulália Resort & Hotel - Albufeira
Data: 26 de Novembro a 28 de Novembro de 2009

Realiza-se, nos dias 26, 27 e 28 de Novembro de 2009, no Grande Real Santa Eulália Resort & Hotel - Albufeira, a XIII Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Cardio-Torácica e Vascular. Em simultâneo, decorrerá a Reunião conjunta com a Sociedade Portuguesa de Radiologia e Medicina Nuclear.

Serão abordados os seguintes temas:
Cirurgia do Arco Aórtico;
Imagiologia Cárdio-Torácica e Vascular;
Patologia das Grandes Veias;
Tromboembolias e Hipertensão Pulmonar.

Esta reunião é constituída por um workshop intitulado “Planeamento de Cirurgia Endo-vascular” e um simpósio para enfermeiros e técnicos de Cardiopneumologia.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Médicos debatem tratamento das doenças cardiovasculares em Santarém

O Serviço de Cardiologia do Hospital de Santarém está a promover as XV Jornadas de Cardiologia de Santarém, multidisciplinares, com a participação de médicos, técnicos, enfermeiros e doentes, nos próximos dias 30 e 31 de Outubro, no Marriott Golf & Beach Resort Hotel, na Praia D´El Rei.


De acordo com o Dr. Vítor Martins, cardiologista e responsável pela Unidade de Pacing e Arritmologia do Hospital de Santarém “estas jornadas têm como objectivo principal a partilha de conhecimentos entre os profissionais de saúde, de forma a obter melhores resultados na prevenção e tratamento dos doentes com problemas de coração e assim a salvar vidas”.

O médico acrescenta ainda que “o Hospital de Santarém assinala agora os dez anos desde que colocou o primeiro pacemaker e, até ao momento, já foram tratados 2300 pacientes. Nas Jornadas contaremos com a presença do primeiro doente tratado que dará o seu testemunho.”

Entre os temas a ser debatidos destaque para a relação entre o desporto e os problemas de coração, a doença cardíaca no idoso e a síndroma metabólico e diabetes. Os enfermeiros que participem nas jornadas terão igualmente acesso a um workshop gratuito sobre suporte avançado de vida, de forma a aprender como salvar vidas em caso de paragem cardíaca. Os técnicos de cardiopneumologia discutirão inovações em pacing cardíaco em que se salienta a possibilidade de ressonância magnética em portadores de pacemakers.

Vilamoura recebe V Jornadas de Cardiologia do Algarve

O Serviço de Cardiologia do Hospital de Faro promove nos próximos dias 5 e 6 de Novembro, no Hotel Hilton, em Vilamoura, as V Jornadas de Cardiologia do Algarve.

O evento, que reúne conceituados especialistas nacionais e internacionais, tem início às 14h30 com o tema «O doente com síncope», onde vão ser abordados subtemas como «A Marcha Diagnóstica», «Investigação Avançada», «Terapêutica Médica e de Intervenção» e «Casos Clínicos».
Ainda pelas 14h30, numa sala paralela, decorrerá uma Mesa de Enfermagem com especial enfoque para a temática «Cuidar em Cardiologia». Neste painel os profissionais vão falar sobre a experiência do Serviço de Cardiologia do Hospital de Faro na Via Verde Coronária, a reabilitação cardíaca no Hospital de Faro e a importância dos registos de enfermagem e uma abordagem sobre o tema «Traços de perfeccionismo na doença coronária e a sua relação com a ansiedade e depressão».
Às 17h00 vai estar em cima da mesa o tema «O doente com Dispneia», onde será abordada a dispneia súbita, a insuficiência cardíaca, a terapêutica médica e a terapêutica cirúrgica.
Para as 18h00 está marcado o simpósio «Optimizar a terapêutica do doente cardiovascular». Neste painel os especialistas irão dar especial destaque à hipertensão arterial e à doença arterial coronária.
No segundo dia das jornadas os trabalhos têm início às 9h00, com uma abordagem ao tema «Risco Cardiovascular Global», com destaque para a obesidade, o tabagismo e a diabetes.
À mesma hora, num espaço paralelo, decorrerá a Mesa de Cardiopneumologia que abordará a «Deformação Miocárdia», a «Ressincronização ventricular», o «Eco-carotídeo», «Tilt test e Onda T» e «Cardiopneumologia na Equipa Multidisciplinar da Cardiologia de Intervenção», sendo que ainda na parte da manhã os especialistas vão falar sobre «O doente com dor torácica».
A parte da tarde, a partir das 14h30, é dedicada aos temas «Cardiologia e Imagem», «Rede de Cuidados Coronários: do pré-hospitalar à cardiologia de intervenção e à cirurgia cardíaca», «AVC - The first killer» e «Avanços em Cardiopneumologia».

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

23rdEACTS

Postgraduate Course - Perfusion

Organisers: A Wahba, Trondheim

Session 1: Arterial embolism during cardio-pulmonary bypass
Moderators: F Merkle, Berlin; A Wahba, Trondheim
09:00
Gas embolism during cardio-pulmonary bypass
M Kuruz, Austin
09:20
Carbon dioxide in the operating field
J van der Linden, Stockholm
09:40
The EmBlocker
J G Maessen, Maastricht

Session 2: Haemostasis and anticoagulation
10:00
Fibrinogen levels and bleeding
A Jeppsson, Gothenburg
10:20
Bivalirudin anticoagulation in cardiopulmonary bypass
A Koster, Berlin
10:40
Coffee

Session 3: Minimised bypass circuits
Moderators: A Liebold, Rostock; J van der Linden, Stockholm
11:10
Different deairing devices
C Schmid, Regensburg
11:30
Minimal bypass systems: a critical review
J Mulholland, London
11:50
Aortic surgery with mini bypass
J Anderson, London
12:20
Role of hyperosmolar solutions in cardio-pulmonary bypass priming
V Kvalheim, Bergen
12:30
Lunch

Session 4: Cardio-pulmonary bypass in non cardiac surgery and left heart assist
Moderators: J Mulholland, London; C Schmid, Regensburg
13:30
The use of cardio-pulmonary bypass in renal tumours
T Graham, Birmingham
14:00
The role of the perfusionist in percutaneous valve implantations
T Walther, Leipzig
14:20
Ethics: Heart transplant and long-term assist
J H Dark, Newcastle-upon-Tyne
14:50
Future perspectives in cardiac assist devices
H Borovetz, Pittsburgh
15:20
Adjourn

domingo, 27 de setembro de 2009

500 portugueses vivem com corações de outros

Só no ano passado, foram transplantados no País 41 doentes. E oito morreram enquanto esperavam por um novo coração. O presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia alerta para o facto de todos os anos 20 portugueses terem necessidade de um novo órgão e não serem sinalizados pelos médicos.

Transplante há 23 anos - O primeiro transplante de coração foi feito em 1986 pelo médico Queiroz e Melo, no Hospital de Santa Cruz, em Lisboa.
Mais homens - A maioria dos doentes transplantados são homens, embora não haja uma faixa etária específica.
Cirurgia até aos 65 - A idade limite para a realização de um transplante cardíaco é aos 65 anos.

32 anos a fintar os defeitos de um órgão 'mal nascido'

Com um defeito de nascença no coração, Nelson fez inúmeros tratamentos e operações até ser operado em 2006. A qualidade de vida melhorou, mas o dia-a-dia sem problemas é recuperado lentamente
Idade 32 anos
Tempo de espera Perto de oito meses
Razão Cardiopatia congénita
São 20.00. A equipa do DN chega mesmo a tempo de dividir o ritual diário (pré-jantar) com Nelson Cravinho: uns quantos comprimidos e um líquido que mistura com um sumo de fruta. E a inocência aparente do sumo, colocado num minicopo com o símbolo do Benfica, não deixa adivinhar o efeito drástico que tem: o bloqueio do sistema imunitário de forma a segurar o novo coração.
São 14 as substâncias que tem de tomar todos os dias, divididas em doses em cinco a seis horas. Mas o peso da rotina em nada se compara com os 32 anos de caminhadas vagarosas e sufocantes. "Mal nasceu disseram-me que ele estava muito doentinho, mas eu não achava que fosse possível. Aos sete meses já tinha sete quilos... Comecei a acreditar nisso quando o via muito cansado e a transpirar enquanto mamava", conta a mãe, Mariete Cravinho.
A cardiopatia congénita (nasceu com ele) foi sendo acompanhada no Hospital de Santa Maria e, mais tarde, no Hospital de Santa Marta. Aos três anos, "fiz a primeira cirurgia, de correcção de uma válvula. Senti-me muito melhor. Depois disso só tinha de fazer exames de controlo". Mas isso não quer dizer que fizesse o mesmo que todas as outras crianças. "Corria menos e cansava-me rapidamente, mas até era engraçado ver os professores de educação física a deixar-me fazer o que eu queria", diz.
Por ironia ou pura sugestão deixada pelas limitações, o desporto sempre foi a área de eleição de Nelson. "Gostava de ter feito algo ligado ao futebol, como jogador ou não. Como não podia ir por um lado, tentei ir por outro", brincou. Tirou um curso em comunicação social com a esperança de ser jornalista desportivo. E assim foi. Pelo menos durante um ano cumpriu o seu sonho num jornal local, que acabou por falir. Depois disso, teve de fazer uma pausa, porque o coração não o acompanhava mais.
A operação que devia evitar o transplante mais algum tempo correu bem, mas a recuperação foi interrompida por uma acidente de carro grave que o fez regredir. "Com os danos no coração não pude fazer a fisioterapia necessária ao braço porque não aguentava". Quando a médica de Santa Marta lhe disse que tinha de fazer um transplante sentiu um balde de água fria. "Fiquei azamboado. Custou-me a aceitar a ideia. A verdade é que já não conseguia andar nem cem metros", suspira.
Desde os exames até ao transplante passaram oito meses, tempo suficiente para já desejar pôr um fim à espera. Em Outubro de 2006, foi chamado pelo hospital, onde foi operado às seis da manhã. "Não dormi nada. Sentia aquela ansiedade por poder não acordar". Agora tem mais qualidade de vida. Percorrer praias em areia molhada, passear e conhecer quintas, como a da Regaleira já são tarefas possíveis.
"Curioso é eu ter sempre problemas de coração e o meu pai morrer subitamente de enfarte em Junho", conta, pesaroso. Mais um obstáculo em plena recuperação. Mas Nelson recusa cruzar os braços, apesar de admitir que alguns sonhos ficaram para trás. "Gostava de ser jornalista, mas não posso estar demasiado stressado, mas quero voltar a trabalhar."

Diana Mendes DN

Só a lamechice não cabe no novo coração de Sandra

Passou por dois cancros e um transplante ainda antes dos 26 anos. Mas nada mudou na sua vida, que "ficou cada vez melhor", diz Sandra Canha. Até porque não faz parte do seu feitio dar parte de fraca
Sandra Canha
Idade 33 anos
Tempo de espera Menos de um mês
Razão Cancro no coração
"Não me ponham a dizer nada lamechas, que eu não sou assim." E não. Sandra Canha, com 33 anos, não é mesmo nada assim. Mesmo depois de ter ultrapassado dois cancros e um transplante cardíaco em cerca de dez anos.
A sua vida hoje, marcada por corridas aos hotéis da cadeia em que trabalha, parece repetir a sua batalha anos antes, numa altura em que corria entre o Hospital de Santa Marta e o Egas Moniz. Aos 19 anos, foi-lhe diagnosticado um linfoma de Hodgkin, que a obrigou a fazer quimioterapia durante um ano e radioterapia. "Suspeito que a radioterapia terá originado um cancro no coração", quando tinha apenas 25 anos. "Era aqui que incidia a radiação", conta, enquanto aponta para o peito.
O seu caso é único. Tão único que provocou o corrupio dos médicos das unidades hospitalares, pelo puro fascínio da aprendizagem. "Em Portugal era a única com um cancro no coração e penso que só havia mais um caso na Europa", diz. O problema foi detectado em 2001, depois de sucessivas queixas de cansaço ao mínimo esforço. E foi assim que se detectou uma massa no coração. "Só se soube que era um cancro depois de o doutor Fragata me ter feito uma cirurgia em Setembro." A única solução foi o transplante. De repente, passa para o topo da malfadada lista de espera. A razão da prioridade "era poder morrer. A qualquer momento!", contou, com a frieza de quem recusa ter pena de si própria. A idade dava garantias de uma evolução rápida do tumor, mas também tinha aspectos positivos, como a possibilidade de usar mais armas no combate da doença.
Em casa desde 22 de Novembro, "mesmo doentinha e de pijama", nem um mês esperou para ter um novo coração. "Correu tudo bem. Pior foi para quem ficou aquelas três horas à espera cá fora. Em nenhuma altura achou que algo fosse correr mal: "Nunca pus isso em causa. Quando soube o que tinha aos 19 anos, e mesmo aos 25, não foi fácil. Mas sempre achei que não se ia passar nada de grave, talvez por causa daquela inconsciência de juventude."
Na altura em que foi detectado o linfoma, tinha terminado o 12.º ano e preparava-se para concorrer para a faculdade. "Gostava de ser psicóloga, mas também não tinha nota para entrar no público." Em nenhuma ocasião a sua (falta de) saúde pôs em causa as aspirações. "Tive uma fase divertida, mesmo depois do transplante. Trabalhei neste hotel em part-time e até numa loja de transformação da Harley Davidson, que vendia peças de motas e as personalizava. E eu adoro motas!"
Sobre o que mudou na sua vida, além das "carradas de medicamentos", foca os cuidados enquanto imunodeprimida (para impedir a rejeição do novo coração). Em época de gripe A, teve de fazer algumas cedências. "Não saio à noite e não ando de transportes. Ontem tive mesmo de andar de metro e levei máscara. Mesmo assim fiquei cheia de medo." Na Net, encontrou pessoas transplantadas, com quem até viajou para a Tailândia. "Acho que é importante tirar dúvidas, porque há pouca informação. Ao olhar para outros doentes e ao vê-los bem ficamos mais descansados", assegura.

Diana Mendes DN

Ao terceiro coração uma vida normal

Amanhã comemora-se o dia mundial do órgão responsável por uma das maiores fatias de mortalidade entre os portugueses. O DN foi ouvir as histórias de três pessoas submetidas a um transplante cardíaco: o Vasco, com apenas seis anos, foi transplantado há quatro, mas ainda teve de viver com um coração artificial; Sandra passou por dois cancros - um deles, no coração, tornou-a única no País e fê-la liderar a lista de espera nacional; Nelson viveu mal quase 32 anos, devido a uma malformação de nascença. Os três tentam agora retomar uma vida com menos complicações. Tal como eles, outras 500 pessoas já receberam um coração de outra em Portugal. O primeiro transplante foi em 1986, em Lisboa
Vasco tem quase seis anos e ainda não fala. Mas nos seus olhos escuros e grandes consegue ler-se quase tudo. A alegria de ter hoje um quotidiano normal, longe das máquinas e do hospital, e de poder fazer algo tão simples como atirar o balão azul à irmã mais nova que gatinha pela sala. E uma enorme força de viver. Mesmo que o coração transplantado que lhe bate no peito há quatro anos lhe continue a traçar um futuro com muitas interrogações.
"É um lutador. Tem uma força e uma capacidade de dar a volta às situações incríveis", desabafa Carla Cruz, a mãe, respondendo com um abraço às investidas do filho, que tenta captar-lhe a atenção. Do seu rosto e discurso pode descortinar-se a mesma alegria por este presente tranquilo, que chega ao fim de um passado tão atribulado. Mas mais. No olhar de Carla lê-se também a enorme gratidão a uma equipa médica que fez tudo para lhe salvar o filho e que, na altura em que o seu coração natural quase deixou de bater, sugeriu algo até aí nunca realizado em Portugal: a colocação de um coração artificial.
Foi há quase cinco anos e o objectivo da equipa do Hospital de Santa Marta era clara: prender Vasco à vida enquanto não chegava a sua vez na lista de doentes à espera de um transplante. Vasco tornou-se, assim, no primeiro português a receber um coração artificial, atraindo todas as atenções mediáticas. "Foi um período muito complicado. Todos os órgãos dele já tinham problemas, deixou de comer e de respirar naturalmente", recorda Carla. "Mas confiámos inteiramente na equipa médica, pois eles sabiam que era aquilo que tinha de ser feito."
Durante 107 dias, Vasco sobreviveu com umas bombas exteriores ligadas ao coração e a um compressor, permitindo-lhe bombear o sangue para todo o organismo. Um equipamento pesado e complexo, que lhe condicionava os movimentos mas a que rapidamente se habituou. A cirurgia liderada pela equipa de José Fragata foi complicada. Mas a verdade, lembra a mãe, é que assim que saiu da sala de operações já vinha mais rosadinho. "Recuperou bastante, os órgãos começaram a funcionar e a sua condição física para o transplante melhorou imenso."
A notícia de que havia um coração saudável que poderia substituir o de Vasco chegou um dia, à hora de jantar, e obrigou a uma mobilização imediata. Era o que tinha de ser, a passagem à etapa seguinte. Mas a boa nova trouxe de novo a apreensão. "Sabíamos que aquele coração era provisório e que não podia viver com ele para sempre. Mas estava a funcionar. E tivemos medo, claro", lembra Carla, outrora profissional do ramo alimentar, agora mãe a tempo inteiro. Mas medo, prossegue, "medo tínhamos sempre". Ainda têm.
Vasco é hoje um menino com necessidades especiais e sujeito a terapias regulares que lhe permitem desenvolver a fala e outras capacidades. As suas dificuldades não derivam do transplante mas do vírus que, aos três meses de idade, se apoderou do seu corpo, debilitando--lhe o coração e causando sequelas cerebrais. O facto de viver com um coração transplantado traz sempre risco, reconhece a mãe, mas igual ao de todas as pessoas que fizeram um transplante.
Por isso, e porque o seu sistema imunitário tem de estar em baixo para que o seu organismo não rejeite algo estranho como um coração que não é seu, todos os cuidados são poucos. Em casa, as mãos lavam-se com frequência, os cuidados com a limpeza são extremos e mesmo uma febre aparentemente inofensiva é logo encaminhada para o médico. As saídas à rua são menos frequentes do que as de outros meninos da sua idade e Vasco ainda não vai à escola como o irmão Simão, de três anos. Em casa, entretém-se com o computador, o Canal Panda, os livros e os brinquedos. Sempre debaixo da atenção dos pais.
"Tentamos não expô-lo muito porque nunca sabemos o que pode acontecer", explica a mãe. Vive-se dia a dia, hora a hora e goza-se o momento presente, sem perder tempo a traçar planos para o futuro.
Idade 5 anos
Tempo de espera 6 meses
Razão Infecção aos três meses, que afectou o coração

Rita Carvalho DN

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Manifestação esta quarta-feira pode deixar hospitais a meio-gás

Fábrica de Conteúdo
Os profissionais de diagnóstico e terapêutica encontram-se esta quarta-feira em greve, como forma de mostrar que se sentem discriminados em relação a outros profissionais de saúde.O Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde prevê que os serviços de saúde estejam a funcionar a meio-gás, em consequência da greve dos técnicos de diagnóstico e terapêutica.Os profissionais da área de diagnóstico e terapêutica querem mostrar o seu descontentamento pela forma como estão a ser discriminados face a outros profissionais da saúde, sobretudo na forma como não são avaliados. Os referidos profissionais consideram que estão impedidos de progredir na carreira. Em declarações à TSF, Edgar Loureiro, do Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde, admitiu que esta paralisação dos profissionais pode afectar o normal funcionamento dos hospitais.O sindicalista prevê «uma grande adesão, porque a indignação também é muito grande», aconselhando a que as pessoas não se desloquem aos hospitais para certos procedimento, como raio X e análises, pois o mais provável é que não sejam realizados tal como para consultas que, por não haver «exames de diagnóstico», não não se podem concretizar.

Açores Online - Profissionais de diagnóstico e de terapêutica em greve

Os profissionais de diagnóstico e de terapêutica estão a realizar entre esta quarta-feira e quinta-feira uma greve para demonstrar a sua indignação pela forma como o Ministério da Saúde bloqueou as negociações da carreira.
A greve foi decretada pelo Sindicado dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica contra aquilo que classifica ser de discriminação face aos outros profissionais de saúde com os quais já foi encerrado o processo negocial do novo estatuto. Edgar Ribeiro, do Sindicato Nacional dos Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica, adiantou à Açores TSF que "esta situação causa-nos uma enorme indignação, porque ficamos arrasados destas negociações sem uma explicação. Vamos aproveitar agora para demonstrar a este Governo o nosso protesto". Evidenciou ainda que nos Açores as paralisações "têm sempre

TSF - Hospitais enfrentam greve dos profissionais de diagnóstico

http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=1369795

http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=1370143

Rádio Renascença - Técnicos de diagnóstico e terapêutica em greve

Nesta altura, e de acordo com os sindicatos, há serviços nalguns hospitais que tiveram que encerrar por falta de técnicos, como é o caso do serviço de radiologia do hospital Pedro Hispano, no Porto, e no Hospital de Angra do Heroísmo, nos Açores.
Estes profissionais de saúde estão indignados com a atitude do Ministério da Saúde, que parou o processo negocial iniciado em Maio. Uma atitude “lamentável”, dizem os sindicatos que representam os técnicos. Para além da paralisação, que vai durar todo o dia, os sindicatos têm agendado para esta tarde uma manifestação à porta do Ministério da Saúde.

Greve técnicos de diagnóstico com adesão estimada nos 70 a 80 por cento

No Site RTP

Os sindicatos que representam os técnicos de diagnóstico calculam que a greve destes profissionais tenha uma adesão entre os 70 e os 80%. A paralisação serve para protestar contra o impasse na negociação, com o Ministério da Saúde, sobre a carreira destes profissionais. Além da greve, há também uma manifestação, em Lisboa, acompanhada pelo jornalista Miguel Videira.

ESTOU DE GREVE




Greve Noticiada

O texto da agência Lusa é publicado também no:

Jornal da Madeira
TV - SIC
Semanário SOL
Semanário Expresso

Reforma das carreiras especiais deixa de fora 40 mil funcionários

São cerca de 40 mil os funcionários públicos que verão adiado para a próxima legislatura o seu futuro profissional. Em causa estão os trabalhadores dos impostos e das alfândegas, os técnicos de diagnóstico e terapêutica, os oficiais de justiça e os funcionários dos registos e notariado, integrados em carreiras especiais, e que ainda não viram a sua profissão adaptada às novas regras que, entre outros aspectos, torna mais difícil a progressão salarial.Contudo, o número de funcionários que estão dependentes das decisões do próximo Governo ultrapassa os 200 mil. Isto se nas contas entrarem os 150 mil professores que continuam a criticar o estatuto da carreira docente e o sistema de avaliação e vão fazer tudo para ressuscitar o processo logo a seguir às legislativas; os 37 mil enfermeiros que já têm novo estatuto mas que estão descontentes com a proposta de grelha salarial; e os militares que já têm novo estatuto remuneratório, mas ainda não viram a sua carreira revista.
Jornal de Negócios 15 Setembro 2009

Conferência de Imprensa

Porque é preciso mostrar União contra a Insatisfação, Injustiça, Indiferença de que estamos a ser alvo.....
Eu Faço GREVE!

Nótícia RTP - Técnicos de diagnóstico e terapêutica em greve dia 23 por negociação da carreira

Em comunicado, o Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica e o Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde criticam a "atitude discriminatória do Ministério da Saúde".
Segundo estes sindicatos, "o Ministério da Saúde não deu, até esta data, qualquer explicação para o bloqueio das negociações, desde 12 de Agosto, impedindo assim a finalização da primeira fase do processo negocial para estes profissionais".

Notícia TSF - Técnicos de diagnóstico e terapêutica em greve dia 23 por negociação da carreira

Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica decretaram, esta quarta-feira, uma greve para o próximo dia 23, em protesto contra «a paragem do processo negocial» de revisão da carreira, pela qual responsabilizam a tutela.
Em comunicado, o Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica e o Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde criticam a «atitude discriminatória do Ministério da Saúde».
Segundo estes sindicatos, «o Ministério da Saúde não deu, até esta data, qualquer explicação para o bloqueio das negociações, desde 12 de Agosto, impedindo assim a finalização da primeira fase do processo negocial para estes profissionais».
Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica sentem-se «absolutamente discriminados face a todos os outros profissionais de saúde, com os quais já foi encerrada a primeira fase do processo negocial, estando a decorrer a segunda fase», lê-se no comunicado.
Além da greve decretada para o próximo dia 23, estes profissionais marcaram uma manifestação frente ao Ministério da Saúde para «exigir o encerramento do processo negocial da revisão da Carreira de Técnico de Diagnóstico e Terapêutica e Técnico Superior de Saúde nos termos da Lei e da reestruturação das carreiras da administração publica».

Notícia Público - Técnicos de diagnóstico e terapêutica em greve dia 23 por negociação da carreira

Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica decretaram hoje uma greve para o próximo dia 23, em protesto contra "a paragem do processo negocial" de revisão da carreira, pela qual responsabilizam a tutela.
Em comunicado, o Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica e o Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde criticam a "atitude discriminatória do Ministério da Saúde". Segundo estes sindicatos, "o Ministério da Saúde não deu, até esta data, qualquer explicação para o bloqueio das negociações, desde 12 de Agosto, impedindo assim a finalização da primeira fase do processo negocial para estes profissionais".Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica sentem-se "absolutamente discriminados face a todos os outros profissionais de saúde, com os quais já foi encerrada a primeira fase do processo negocial, estando a decorrer a segunda fase", lê-se no comunicado.Além da greve decretada para o próximo dia 23, estes profissionais marcaram uma manifestação frente ao Ministério da Saúde para "exigir o encerramento do processo negocial da revisão da Carreira de Técnico de Diagnóstico e Terapêutica e Técnico Superior de Saúde nos termos da Lei e da reestruturação das carreiras da administração publica".

Notícia IOL - Técnicos superiores de diagnóstico convocam greve

No próximo dia 23 os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica vão estar em greve. De acordo com a Agência Lusa, estes profissionais convocaram uma greve para protestarem contra «a paragem do processo negocial» de revisão de carreira, pela qual responsabilizam a tutela.
Os técnicos superiores de diagnósticos e terapêutica marcaram também uma manifestação frente ao Ministério da Saúde.
O Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica e o Sindicato das Ciências e Tecnologias da saúde criticam, em comunicado, a «atitude discriminatória do Ministério da Saúde».
«O Ministério da Saúde não deu, até esta data, qualquer explicação para o bloqueio das negociações, desde 12 de Agosto, impedindo assim a finalização da primeira fase do processo negocial para estes profissionais», afirmam os sindicatos.
Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica afirmam também que se sentem «absolutamente discriminados face a todos os outros profissionais de saúde, com os quais já foi encerrada a primeira fase do processo negocial, estando a decorrer a segunda fase».

Notícia Lusa - Greve dos técnicos diagnóstico deverá deixar serviços de saúde a meio gás

A greve dos profissionais de diagnóstico e terapêutica, marcada para a próxima quarta-feira, deverá deixar os serviços de saúde a funcionar a meio gás, sensivelmente ao ritmo dos fins-de-semana, segundo um dirigente sindical.
A greve foi decretada pelo Sindicato das Ciências e Tecnologias da Saúde (SCTS) e pelo Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica contra o que classificam de "discriminação face a todos os outros profissionais de saúde com os quais já foi encerrado o processo negocial".
Sobre os efeitos da greve, Almerindo Rego, presidente do SCTC, sublinhou à agência Lusa que, em saúde, "uma greve é sempre algo muito complicado", estimando que a paralisação destes profissionais de saúde - oito mil na administração pública, precisou - afecte os serviços de consultas, cirurgias e farmácia. Por isso, antecipa, os utentes deverão encontrar, na quarta-feira, os serviços a funcionar como se se tratasse de um fim-de-semana.